Amante Consagrado (IAN #06) – J. R. Ward

14 set

Chegamos ao livro do Phury, Amante Consagrado é um dos livros mais criticados da Ward, muitos disseram que odiaram o livro dele e bla, bla, bla… Na boa?! Prefiro Phury e Cormia a Butch e Chatissa! A Cormia foi muito menos chata que essa patricinha revoltada da Glymera – Ops, Marissa! Aff… Não é meu livro preferido, mas eu entendo o porque da densidade do problema dele! Então VEM comigo!

Editora: Universo Dos Livros

Sinopse: Ferozmente leal à Irmandade da Adaga Negra, Phury se sacrificou pelo bem da raça, convertendo-se no macho responsável por manter a linhagem da Irmandade. Como o Primaz das Escolhidas, ele será o pai dos filhos e das filhas que assegurarão que sobrevivam as tradições da raça, e, que haja guerreiros para lutar contra os redutores. Como sua companheira, a Escolhida Cormia quer ganhar não só o corpo, mas também o coração de Phury para si… Ela vê o guerreiro emocionalmente deteriorado atrás de toda sua nobre responsabilidade. Mas enquanto a guerra com a Sociedade Redutora se torna mais severa, uma grande tragédia abate a mansão da Irmandade e Phury deve decidir entre o dever e o amor.

Primeiro vamos lembrar que o Phury passou toda a vida dele, depois da transição, em função do Z., primeiro procurando por ele que tinha sido sequestrado e posteriormente cuidando dos danos pscicológicos que a escravidão tinha causado.

A família dele, desmoronou quando o Zsadist foi levado, os pais nunca superaram essa perda e ele nunca se sentiu bom o suficiente, como se sempre estivesse faltando algo. Ele sempre tentou “consertar” as coisas, ou se redimir por algo que não é culpa dele… Mas é isso, no fundo ele se sentia culpado por ter sido o Z. a ser sequestrado, e não ele… Loucura? Sim, mas para alguém com traumas, que cresceu com uma família quebrada, com um pai que era um Irmão, um guerreiro forte e que acabou definhando com o alcoolismo… É totalmente compreensível a forma como o Phury enxerga as coisas.

Bem, um irmão cheio de traumas e problemas mal resolvidos, que pensa que é apaixonado pela Shellan do irmão, usa drogas como um meio de fuga e além de tudo aceitou a missão de ser o Primaz da raça. Bem isso só poderia dar m… han… não dar certo! rsrs…

O livro é muito interessante, ainda mais nas passagens onde o “Mago” que é o inconsciente do Phury fica o depreciando, e de certa forma o coagindo a se afundar ainda mais nas drogas.

“…O homem cheirava a crack, como se fosse um traficante e usuário ao mesmo tempo.

Esse é o meu mundo, pensou Phury.

O de sacos de celofane, montes de dinheiro, das drogas e de se preocupar com a próxima dose consumia mais do meu tempo até mesmo do que a missão da Irmandade. O mago surgiu em sua mente, parado como o titã Atlas naquele campo de ossos.

Ainda bem que você sabe que esse é o seu mundo, seu viciado imbecil. E eu sou o seu rei.” (pág. 61)

Esse massacre era uma bela forma de se destacar, não é? Ser apenas um mero fracasso da raça é um pouco pebleu demais… E você era de uma família nobre, até arruiná-los. Então mande ver, parceiro” (Mago) (Pág. 74)

Sabe aquela história de que para algo melhorar precisa piorar primeiro… foi assim com o Phury, ele precisou chegar bem lá no fundo do poço, ser expulso da Irmandade, ter uma overdose, se vincular… para mudar… E no meio disso, Cormia estava com ele… o ajudou muito, ela evolui de uma forma muito positiva ao longo do livro, não é do tipo que fica se lamentando, ela só se preocupa, obviamente, com a reputação que o fracasso dela possa levar as escolhidas. Phury demora a perceber que estava vinculado – está aqui uma das maiores críticas sobre o livro, pois a maioria de nós adoramos ver aquele tipo de vinculação instantânea: MINHA! Mas vamos ser realistas, o cara não sabia nem onde ele estava por conta das drogas, como ele iria perceber que no fundo o que sentia pela Bella era somente carinho.

“Beba de mim – ele exigiu. 

(…) Santa Mãe das Palavras… O sangue dele queimava como fogo, primeiro na boca de Cormia, depois descendo em sua garganta, uma onda poderosa que preencheu seu corpo, dando a ela uma força que nunca tinha conhecido.

– Mais forte – ele grunhiu. – Me chupe!…” (pág. 124)

“Ele precisava estar dentro dela de todas as maneiras possíveis, e não apenas o tipo temporário que sexo oferecia. Precisava deixar a si mesmo para trás, precisava marcá-la direito, colocar seu sangue e seu sêmen dentro dela, e então repetir o processo amanhã, e depois de amanhã e depois de depois de amanhã. Precisava estar nela para que todos os imbecis do planeta soubessem que se chegarem perto de Cormia, teriam que responder a ele até cuspirem os próprios dentes e precisarem de talas nos braços e nas pernas.

Minha.

Phury arrancou a túnica que escondia o sexo dela e – sim, ali estava. Ele Podia sentir o calor subindo e…” (pág. 125)

Não meninash… ele não é um frouxo! rsrs… Ele só é cavalheiro demais… rsrs… Bem, não nessa cena… mas essa foi a primeira vez que ele sentiu esse instinto tomar conta dele… #Ui.

Muitas coisas acontecem nesse volume… Omêga com um filho… Qhuinn e Blay… John e Xhex… Mudanças em relação ao estilo de vida das Escolhidas/ Primaz… Bella dando a luz – Sim!… Redutores atacando… Bem, eu não pularia esse livro se fosse vocês… E ao contrário do que dizem por aí… o livro não é ruim, ele é denso, claro que gosto é gosto né… eu particularmente, não gosto do livro do Butch – já falei aqui umas 100 vezes… rsrs…

Apesar de não gostar muido do modelo da nossa capa de Amante Consagrado, o cabamento é muito bonito.

E aí meninash… já leram? Reclamaram do livro do Phury? Comentem… Beijos e até a próxima Obsessão!

Anúncios

9 Respostas to “Amante Consagrado (IAN #06) – J. R. Ward”

  1. Thatyane setembro 14, 2012 às 7:22 pm #

    amo d+ essa série, eu gostei desse livro… para mim as estórias paralelas foram o que me prenderam, não que o Phury não seja uma delicia rs…

    P.s: No inicio quando ia arrumar minha prateleira sempre colocava esse livro como o 5° rsrsrs esse cara da capa é o meu Vishous !!! rsrsrs

    • Yasmin Dorneles setembro 14, 2012 às 7:34 pm #

      acho ele mt “beiçudo” kkkkkkkkkkkkkk… não gosto desse modelo…

  2. Juliana setembro 14, 2012 às 10:50 pm #

    Um dos meus livros favoritos. Adoro a Cormia. Resenha boa, como sempre, mas senti falta desse diálogo nela, q eu acho a essencia dos sentimentos da Cormia pelo Phury e do q ela é, uma Escolhida:

    Phury: “Vou libertar vc?”
    Cormia: “Vai ou já o fez?
    P: “Já o fiz!”
    P: “Ñ é vc, vc é linda…”
    C: “Ñ, sou eu sim. Vc ñ me quer. Eu sempre deixei claro q receberia vc em mim (uau!). Eu nunca disse nem fiz nada para desencorajá-lo. Então, se vc está me colocando de lado, é pq n me quer…”

    Enfim, apesar de tudo o q reclamaram desse livro, eu adoro, a complexidade das personagens te prende até o fim. Óbvio q eu pulei a estória dos Redutores, pq acho um saco, e faço isso com praticamente todos os livros, hehehe!

    • Yasmin Dorneles setembro 14, 2012 às 11:05 pm #

      SPOLIER… SPOILER… SPOILER… Quem não quer saber, não leia!

      Eu não coloquei esse diálogo nem falei desse “fora” do Phury propositalmente! rsrs… eu ia me prolongar mt… sem falar que foi um momento só… se comparado com td a trama… pq logo depois disso já dá merda… e ele sobre a abstinência do “outro lado”… rs… 😉 bjs Ju!

  3. Ana Mayara setembro 15, 2012 às 2:49 pm #

    Eu sou louca pelo Phury, embora só tenha lido os três primeiros. Tenho um pouquinho de medo de me decepcionar com esse livro, mas é o Phury, né? Como vc disse, ele é um cavalheiro, rs. Bjnhs

    • Yasmin Dorneles setembro 15, 2012 às 4:36 pm #

      rsrs… sim ele é um cavalheiro… mas tem seus instintos primitivos tb… eu gostei do livro dele… e se vc gosta dele não vai se decepcionar! bjs

    • Juliana setembro 15, 2012 às 11:23 pm #

      Ele é cavalheiro o tempo todo, externamente. Consigo mesmo ele faz mta merda. E, claro, com os redutores, kkk!

  4. Aline Rodrigues dezembro 29, 2012 às 4:21 pm #

    Boa tarde!

    Este é o meu primeiro comentário nesse blog e eu espero que depois venham muitos.
    Acontece que eu estou lendo – a passos de tartaruga – a amante consagrado.

    Eu também odeio o livro do Butch, quer dizer, ele ser o Dhestroyer é o máximo, mas a Marissa é revoltantemente idiota, sem sal, sem graça, e isto torna a leitura muito cansativa e epouco estimulante. Eu havia abandonado a Irmandade, e só a duas semanas criei coragem para amante libertado.

    Não foi como Amante Escuro – que me surpreendeu – nem como Amante Eterno que me deixou de quatro, muito menos Amante Desperto, mas foi um livro OK, totalmente diferente do que eu esperava e tirando o final eu gostei muito.

    Assim, comecei logo Amante Consagrado, que aliás eu vi muitas críticas online, mas depois desses trechos, eu não estou conseguindo me segurar para terminar de escrever e chegar logo nessa parte…

    Mas acho que vou parar por aí, por que eu não gostei desses novos meninos, eles não são irmãos e tirando o Revh, eu acho que não quero mais ninguém…

    Bjinhus, adorei conhecer esse blog!

    • Yasmin Dorneles dezembro 31, 2012 às 11:55 am #

      Eles são guerreiros… o John é um Irmão… e existem outros personagens muito envolventes… o Rehv não é Irmão mas Gsous! Homem bommm… eu sou suspeita para falar pq adoro a série… tente ler… mas é como dizem… “O que é de gosto é regalo da vida” rsrs… bjs!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: