“Gabriel’s Rapture” de Sylvain Reynard – Resenha Série O Inferno de Gabriel #2

22 out

Antes de ler minha resenha de “Gabriel’s Rapture” leia a resenha do primeiro livro da série de Sylvain Reynard, “Gabriel’s Inferno”.

Agora que você já leu a resenha do primeiro volume  deve ter percebido minha observação no final, onde afirmo que não iria ler o segundo livro, eu não menti, eu realmente não queria ler, mas fui coagida por alguém completamente cruel e sem coração que não teve nem um pingo de dó de uma pobre pessoa que não suporta romances melosos e cansativos.

E garanto a você, vai ter volta! Viu Yasmin! É sério, se vocês nunca mais ouvirem falar da “Cruela Dorneles” é porque eu a matei.

Pronto, desabafei. Vamos a descrição detalhada de como torturar lentamente e refinadamente uma pessoa.

O livro começa exatamente no ponto onde o anterior parou.

Professor Gabriel Emerson embarcou em um apaixonante, até clandestino caso com sua ex-aluna, Julia Mitchell.

Sequestrada em um feriado romântico na Itália, ele a ensina os mais deliciosos prazeres sensuais do corpo e os arroubos do sexo.

Mas quando voltam, a felicidades deles é ameaçada por uma conspiração de alunos, política academicas e ex-amantes ciumentas.

Quando Gabriel for confrontado com a administração da universidade, ele sucumbirá ao destino de Dante? Ou ele lutará para manter Julia, sua Beatrice, para sempre?

Em “Gabriel’s Rapture”, a brilhante sequência para o romance de estréia de grande sucesso, “Gabriel’s Inferno”, Sylvain Reynard tece uma história de amor única que vai tocar a mente, corpo e a alma dos leitores, para sempre. (ou quase).

Sim, sem nenhum espaço de tempo, “Gabriel’s Inferno” termina com os incansáveis apaixonados dormindo depois do santo sexo sofrido e “Gabriel’s Rapture” começa com ambos acordando.

Mas, não é apenas um “acordar” romântico regado a sorrisos bobos e um “bom dia amor” -escrito poeticamente em forma de alguma citação de Dante ou Shakespeare – não, infelizmente não é tão simples.

Enquanto Gabriel observa sua amada dormir (estranho habito adquirido pela matriz sobrenatural, Edward) Julia tem um pesadelo terrível, onde ela está sozinha na floresta e procura por Gabriel em desespero porque ele havia a abandonado (estranho Dejá vu do pesadelo de sua matriz, Bella) e então temos mais uma das cansativas e poéticas conversas, declarações e reafirmações de amor regadas a arrependimentos, culpa e perdão.

Mesmo preparada para o que viria foi demais para mim! Passei por isso da seguinte maneira: Quando eles começavam com toda a ladainha cansativa eu colocava minha mente em stand by e pronto!

Só assim foi possível não morrer afogada nas doçuras do amor e da paixão que nesse volume foram acompanhadas de sexo poeticamente descritos.

Agora, diferente de “Gabriel’s Inferno”, “Gabriel’s Rapture” foi decepcionante em vários aspectos,mas para mim o principal foi o desenvolvimento da historia.

Quando Gabriel e Julia não estavam se declarando um para o outro a narrativa adquiria um ritmo rápido com apenas Julia ou Gabriel comentando rapidamente – sem nenhuma descrição – os acontecimentos. Muitas vezes deixando inúmeros furos, situações sem explicação – ou simplesmente deixadas de lado.

Personagens que apareceram e que dariam ótimas cenas nunca mais foram vistos e nem tiveram um final satisfatório.

Um deles é a Paulina, desde o primeiro livro a relação dela com Gabriel me gerou certa curiosidade e quando li a sinopse pensei que ela finalmente seria apresentada.

Bem, ela foi, mas eu pisquei e ela já tinha sumido.

A autora parece ter apenas colocado ela lá para causar um pequeno desconforto no romance e gerar mais um pouco de declarações de culpa e perdão.

A cena em que ela fica mais do que dois paragrafo mostra apenas que Paulina é uma verdadeira vadia, e então mesmo com a oportunidade de mostrar a interação entre Paulina e Gabriel, Sylvain prefere deixar a narrativa no ponto de vista de Julia e suas lamentações. E quando chegou ao final e ela não voltou nem nada e o Gabriel apenas fez uma pequena menção do seu destino, eu fiquei meio que boiando.

Ele decidiu pedir perdão a ela pela maneira que a tratou durante todos os anos, em uma tentativa de reconciliação e finalmente alcançar o perdão e se livrar de toda a culpa pelo qual ele acha que vai para o inferno blá blá blá -não vi nada de culpa,rssrsrsr, o cara aproveitava a vida em seu estilo milionário, tinha sexo adoidado com um monte de mulheres e não vi absolutamente nenhuma das coisas que ele falava que se punia por seus pecados – blá.

Enfim, meu ponto é que nem mesmo a reconciliação dos dois entrou na historia, e o destino da Paulina? Depois de todo o suspense do primeiro livro em relação ao que aconteceu e qual era a ligação dela com Gabriel finalmente a mulher aparece e depois nada.

Segundo Gabriel ela o perdoou e foi tentar se reconciliar com pais…

Só isso? Por favor, uma cena do Gabriel assumindo que foi um bastardo egoísta seria muito mais interessante que cinco paginas de declaração em forma de introdução para o sexo que ela e a Julia tinham, então de novo eu digo: Por favor!

Mesmo o jantar de natal onde toda a família está reunida passou rapidamente depois de poucas linhas. Aron, Rachel,Richard e Scott são apenas figurantes que aparecem na hora do jantar e depois somem sem destino. O casamento de Rachel passou tão rápido, sem detalhes e tão resumido que eu nem me lembro dele.

Mas não se preocupem, há outro casamento que não foi nem mesmo descrito! Algumas linhas sobre o lugar e convidados, algo sobre um vestido de noiva, alguns comentários sobre a dança e pronto, simplesmente passou.

Quanto aos outros personagens, a participação do Paul foi mínima e mesmo assim só aconteceu quando o Gabriel estava longe. E foi tão… Jacob Black, que nem sei o que dizer. Não estou exagerando!

Ele diz a Julia para escolhê-lo, blá blá blá, que ele nunca a faria sofrer como o Gabriel, blá, então ele a beija e bem nenhuma surpresa quando a Julia começa a chorar!

Deus, a garota só chora! Por amor a todos os lenços de papel!

Vou te dar apenas um pequeno exemplo:

Abaixo para a surpresa de ninguém Gabriel está se declarando mais uma vez e então o que a Julia faz?

– Mas se você me dizer que tinha caído no amor com outra pessoa e que você estava feliz, eu a deixaria ir. Mesmo que isso iria me quebrar. – Ele fez uma careta e baixou a voz para um sussurro. – Eu vou te amar para sempre, Julianne, mesmo se você me ama ou não. Esse é o meu céu. E o meu inferno.

A sala ecoou com o silêncio por alguns minutos, e Julia colocou uma mão trêmula sobre sua boca. Lentamente, lágrimas constantes derramaram por seu rosto.

– O que é isso? – Ele a puxou um par de vezes, antes que ser capaz de persuadi-la a chorar contra seu peito. – – Eu não tive a intenção de te machucar.

Sua voz estava desesperada, quando ele rapidamente esfregou a mão para cima e para baixo em seu braço.

Demorou alguns minutos para Julia ser capaz de se recompor o suficiente para falar.

– Você me ama.

Sério isso? “Mão tremula sobre a boca”?

Tenho certeza que depois disso eu não preciso dizer mais nada, né? Mas, vou dizer assim mesmo porque a revolta me consome!

Morre desgraça, morre!

Porque, por amor a merda, essa mulher está chorando!

A Julia não queria ser tratada como frágil, tem muitas cenas onde ela reclama sobre isso em seu relacionamento com Gabriel, mas quando uma mulher de 23 anos se comporta como uma adolescente, quebrável, dependente, sensível e sequela como é que ela não quer ser tratada assim?

Se quiser se tratada como forte, aja como uma mulher normal, porra! Agora a coisinha fica nesse eterno papel de sexo delicado e depois enche o saco reclamando!

Outra coisa, só para fazer uma reclamação completa. Que vontade de dar uns pancadas na Julia, fala sério, quem é que fica relembrando do ex-namorado abusivo quando está em cima do namorado atual? Mas hein?

Eu sei que todos devem estar querendo saber sobre  como a administração da Universidade descobriu a relação entre Julia e Gabriel. Não posso dizer muito, seria spoileres terríveis, vou dar apenas algumas pistas e vocês vão entender: Idiotice. Vergonha Alheia. Cosplay de “Lua nova”.

E é isso. Bem, na verdade, o processo entre a universidade Julia e Gabriel, foi até uma parte boa do livro. Uma vez que foi a única parte que teve verdadeiramente uma história. Foi interessante até chegar ao final … deixe-me apenas dizer que as palavras acima descrevem as atitudes da Juliasequela.

Enquanto que “Gabriel’s Inferno” tinham poucas semelhanças com Crepúsculo além dos problemas psicológicos dos personagens (kkkkkkkkk) “Gabriel’s Rapture” foi bem puxado para o lado de “Lua nova” e “Eclipse”.

Um dos primeiros aspectos que me fez lembrar muito os livro de Meyer foi a relutância da Julia em aceitar o pedido de casamento do Gabriel, achei sem sentindo uma vez que no primeiro livro a maneira em que ela é obcecada com o Garbriel deixava claro que ela queria praticamente amarrar o homem a ela. Se ela o ama tanto , qual é o problema de ficar noiva dele?

Vejo isso apenas como uma desculpa para mais uma semelhança com a série matriz, já que em detrminado momento depois de se reconciliarem, Gabriel diz que só farão sexo de novo depois que se casarem. Isso parece familiar?

E como não lembrar de Bella e seu sofrimento quando o Ed deu para ela um gostinho do céu e depois negou fogo. Ela ficou se sentindo rejeitada . Bem digamos que a Julia espelhou esses sentimentos.

Sério gente, ficar sem sexo não é o fim do mundo. Acontece. E por mais que os homens digam que doí é mentira! Ainda mais para uma mulher.

Os únicos momentos que o livro não me irritou foi quando Julia e Gabriel estavam separados, e infelizmente eles não duram muito. Nunca pensei que o amor pudesse ser tão chato, maçante e cansativo.

Eu prefiro ler “Orgulho e Preconceito” 10 vezes seguidas a ter que ler mais uma pagina das declarações de amor entre Julia e Gabriel.

Eu sabia que eles iam ter problemas, e enquanto aguentava toda a lua de mel deles a única coisa que conseguia pensar é que os problemas estavam demorando demais para vir. E cada vez mais eu só ansiava os problemas do casal porque o romance …

Eu sou incapaz de encontrar palavras para descrever a maneira irritante que as declarações de amor dos dois são cansativas – mais cansativas que elas, apenas minhas  reclamações delas! hehehehe.

Eles não podiam trocar três frases sem uma alusão a alguma historia de amor ou ficar reafirmando a atração física, o desejo, o amor, a vontade de fazer feliz, a atração física, o amor, o desejo, a vontade de fazer feliz, e então mais um pouco de como eles se amam,de como ele foi um idiota, de como ele se arrepende de não ter tratado ela bem ou como ela sofreu muito quando ele não estava presente, como ela é insegura blá blá blá só para que ele possa declarar o quanto ela é linda e mais um pouco de inúmeras declarações… bah!

Um simples café da manhã virava um amontoado de declarações de amor,  culpa e perdão.

Os protagonistas pareciam incapazes de ter uma conversa normal mesmo na hora de comer ou dormir… ou acordar… ou está parado por 3 segundos perto um do outro.

Eu pensei que exagero não fosse algo que eu teria que reclamar no segundo volume da série, mas sinceramente… nem sei como expressar a irritação e tédio.

Não é surpresa para ninguém que eles se separam – é quase uma regra para o volume dois de toda fanfic que foi inspirada em crepúsculo e que vai virar livro , mas diferente de Bella, a Julia não se jogou nos braços do Gabriel imediatamente… ela esperou cinco minutos antes de fazer isso,rsrsrsrsrsrsrsr

Depois que Gabriel voltou Julia estava se dando de difícil – primeiro para voltar para ele o que foi ridículo não dava nem para levar a sério – e depois para continuar o relacionamento , quer dizer, ela não poderia ceder nos primeiros cinco minutos, ela tinha que refletir sobre como não ia deixar ele tomar todas as decisões, blá blá blá, ou como o relacionamento dos dois afundaria se eles não conversasse, blá blá, e que mesmo perdoando eles não poderia simplesmente voltar a como era antes , blá, e então depois de tudo isso – ou seja algumas paginas de reflexão e 10 minutos na historia – ela simplesmente cedia!

Não é implicância ou exagero, um exemplo disso é o Gabriel deitado na cama e pede para ela deitar ao lado dele, é claro que ela não vai fazer isso só porque ele mandou, aí ela faz uma pergunta, – para mostrar que ela não vai fazer tudo na hora que ele quer  – ele  responde e a chama para a cama de novo, ela vai e eles já estão aos beijos.

Se a autora tivesse cortado um pouco do romance e acrescentado uma estória o livro teria sido bom. O primeiro já havia se concentrado em ambos no campo de culpa, insegurança e relacionamento. Eu esperava que no livro dois os personagens evoluíssem  em outros aspectos, não apenas na Julia parar de ficar envergonhada com sua nudez ou o Gabriel ser mais simpático com outras pessoas.

Como disse no começo da resenha, faltou historia sobrou romance.

Diferente de “Gabriel’s Inferno” não conseguir tirar nenhum proveito de nada do livro. Gostei de uma única frase: hehehe

“Acoplamento carnal com criatura celeste”

Tem alguma Compulsiva aí que leu, e sabe o que significa?

Nota: Meia garrafa de vinho barato.

Curiosidades:

Eu procurei em varias resenhas e no Google e ainda não conseguir descobrir, quem escreve o livro é homem ou mulher?

No e-book de “Gabriel’s Inferno” tem uma mini biografia sobre a autorA, mas em muitas resenhas por aí, dizem que é um autOr.

Alguém sabe com certeza para me responder?

Anúncios

28 Respostas to ““Gabriel’s Rapture” de Sylvain Reynard – Resenha Série O Inferno de Gabriel #2”

  1. Yasmin Dorneles outubro 22, 2012 às 1:45 pm #

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk… Ok, menos um livro para ler! thanks Dayana! rsrs… mas qdo vc me falou do julgamento e da ridícula… eu broxei! rsrs… sem falar na melação excessiva! aff…

    • Dayana Lopes outubro 22, 2012 às 1:47 pm #

      “”kkkkkkk” Nada!

      Você me usou de cobaia!

      Eu vou me vingar, “Cruela Dorneles”!

  2. Ana Mayara da Silva outubro 22, 2012 às 2:30 pm #

    Bom saber. Passo longe desse livro! Obrigada pelo sacrifício, Dayana, rsrs. Bjnhs

    • Dayana Lopes outubro 22, 2012 às 2:53 pm #

      kkkkkkkkkkkkkkkkk

      De nada, rsrsrsrsrsr, a próxima quem vai levar um pela equipe vai ser a Yasmin, e eu já estou procurando algo beeeem ruim para ela ler!

      Agora é serio, se você leu o primeiro livro tenta ler esse também, você pode acabar gostando.
      Ou se você não leu nenhum deles, dá uma chance porque a Yasmin até que achou legalzinho “Gabriel’s Inferno”.

      • Ana Mayara da Silva outubro 22, 2012 às 3:21 pm #

        Eu até estava pensando em ler o primeiro, mas tem tanto livro bom por aí… Parece até um desperdício ler um que provavelmente eu não vou gostar.

        Mesmo assim, talvez, só talvez, eu anime, rs.

      • Dayana Lopes outubro 22, 2012 às 3:23 pm #

        kkkkkkkkkkkkkkkkkkk Concordo plenamente com você!

  3. Angelita outubro 22, 2012 às 4:17 pm #

    hauhauahauhuahua

    O que dizer desses autores que acham que escrever um livro é colocar algo tão sofrido? caramba… qual o problema? eu hein…

    Adorei a resenha… e não vou ler com toda certeza… poxa… pra quem esta relendo a diva Jeaniene, não consegue se prender em um livro onde nao tem historia e sim dramalhãão… a nãããããããããão!!

    O bom das resenhas, é que uma pessoa lê… e agente escolha se faz nosso estilo ou não… poderia até ser um livro para se ler, mas o fato de que fica só na reflexão e voltado para ambos, ai não rola mesmo…

    Beijo meninas

    PS: que bom Day, que tu conseguiu sobreviver hahahah

    • Dayana Lopes outubro 22, 2012 às 4:21 pm #

      KKkkkkk
      Ang foi uma batalha épica contra o tedio!
      E eu li que vai ter o terceiro o.Ô Dessa vez a resenha vai ser da Cruela!

  4. niih-chan outubro 22, 2012 às 11:54 pm #

    primeira vez escrevendo, depois de acompanhar o site há algum tempo – timidez em pessoa até pela net.
    mas, enfim. tinha achado o primeiro volume interessante pela sinopse. li a resenha e fiquei com ânsia de vômito. li a resenha do segundo volume e vomitei. sério, amo romances, mas tudo em exagero é veneno. e ela só chora e se culpa e chora outra vez… completamente entediante.
    obga pelo enorme sacrifício – pq ler esse livro deve ter sido realmente um trabalho de Deus – de ler e n me fazer lê-lo. n vou perder meu tempo lendo tanto mel + açúcar + doce de leite + tudo de doce por aí. tô comprando ‘the goddess test’ em q aparece o deus mais gostoso do mundo dos deuses: Hades. uhm, ele sim vale meu tempo.

    • Dayana Lopes outubro 26, 2012 às 1:14 am #

      kkkkkkkkk Niih-chan
      Alguém me dá valor!
      Tá vendo Yasmin, todo mundo reconhece meu sacrifício e você tentando me jogar no fogo de novo!

      Fico feliz que você tenha comentado.
      É um enorme prazer quando os leitores participam, e concordo plenamente, a sinopse dessa série engana!

  5. Tatiane Mugia outubro 23, 2012 às 1:46 pm #

    Tenho uma idéia para torturar a Yasmim, que tal Ruptura…… kkkkkk

    • Tatiane Mugia outubro 23, 2012 às 1:53 pm #

      Ops.. Rapture.

    • Dayana Lopes outubro 26, 2012 às 12:59 am #

      Tatiane,
      Pode deixar minha vingança será maligna!

  6. Shirlene viana novembro 5, 2012 às 12:11 pm #

    KKKKKk, otima resenha Dayana, eu li este também e com não gosto de deixar nada pelo meio se tiver o 3 vou ler, mas na minha avaliação eu daria no maximo 03 estrelas, alias foi com eu avaliei este livro no Skoob.
    beijão

    • Dayana Lopes novembro 5, 2012 às 2:45 pm #

      kkkkkk minha nota foi baixa porque o livro não era algo que queria ler .
      Mas, em avaliações em que um livro só me irrita um pouco eu dou 3 estrelas. Mas esse… Me irritou completamente,rsrsrsrsr foi impossível dar mais. Kkkkkkk

      • Nathalia Zumstein janeiro 5, 2013 às 10:46 am #

        Gente do céu, acho que nunca ri tanto com uma resenha. Pensei que em Garbeil’s Inferno meu estoque de gargalhadas tinha esgotado, mas este aqui…. Sensacional!!! Amei o blog, amei as noticias, as resenhas. Amei tudo! Parabéns!!!!!

      • Dayana Lopes janeiro 5, 2013 às 11:58 am #

        Obrigada Nathalia,rsrsrsrsr, Bem vinda!
        A Yasmin me manda ler livros que não quero porque acha meu mal humor engraçado,rsrsrsrsrs, aquela Cruela!

  7. Elide fevereiro 18, 2013 às 9:00 pm #

    nem vou ler tava curiosa pra ler mas pela sua critica ja vi q é melhor nem perder meu tempo alem do mais vc nao é a unica q criticou o livro…obg 😉

  8. Maria Cristina fevereiro 25, 2013 às 12:08 pm #

    Comecei a ler o primeiro livro e achei uma merda! Essa Julia consegue(e olha que eu achava impossível) mais chata que a Ana de 50 tons! Quando eu cheguei ao capítulo 8 e não tinha rolado nem um beijo vi logo que não ia prestar. Essa personagem não existe, cara acho que só um homem pra criar uma figura tão patética! Sempre assustada, sempre com vergonha, sempre muito chata. Ficar naquela de meu Gabriel, foi um porre! Personagem boa é a Eva da Crossfire, que briga, mete a mão na cara, é ciumenta e foi estuprada! Essa babaca da Júlia só sabe chorar e agir como adolescente. Até a minha sobrinha de 14 anos tem mais personalidade que ela. Enfim abandonei essa leitura chata, monótona e piegas. O inferno é ler esse livro

  9. tami março 3, 2013 às 3:14 pm #

    eu não gostei do primeiro livro,senti vontade de esganar a julia desde o começo, e quis matar o gabriel toda vez que ele chamava aquela tonta de anjo, sem falar que ele sozinho não era sofrido coisa nenhuma e sim um psicopata arrogante que adorava se fazer de vitima pelos erros que cometeu e não queria aceitar, ele e a julia se merecem. Mas o livro ainda tinha sauvação e o o segundo poderia vir a ser melhorsinho sem toda aquela melação, e eu a achei que protagonista ia melhorar um pouquinho. obrigada pela resenha, eu ri horrores, tenho vontade de ler o segundo so pra xingar os dois mais um pouquinho kkkkk serio eu não achei que um livro conseguiria ser mais meloso que os cinquentas tons de cinza,

  10. Flávia março 10, 2013 às 9:54 pm #

    Dayana, achei o seu blog, por acaso. Estava justamente procurando a versão em inglês deste livro, já que as versões traduzidas que eu encontrei conseguiam ser piores que a própria história (sim, isso é possível!) Gostei da sua resenha, bastante, li a do primeiro livro e percebi que, no fim das contas, Gabriel’s Inferno nada mais é do que Crepúsculo sem seres sobrenaturais e com pitadas mais sensuais durante a história. (sem alguém me falar que tinha algo sensual em Crepúsculo eu imagino o que seria 50 Tons, rs)

    Comentário: Até entendo a imaturidade total da Julia, e no início, as atitudes completamente sem noção para uma garota de 23 anos. Mas o Gabriel, affff, completamente decepcionante O cara, de assombrado/sexy/MADURO, passou para um moleque de 15 anos, ah velho, isso me irritou demais. Toda a situação de vida dele até dá pra entender (bem forçosamente) as atitudes dele, mas no fim, sei lá, eles se merecem.

    Mesmo após ler sua resenha do livro, eu acho que sou masoquista, já que ainda vou ler o livro, rsrs. Sei lá, sabendo que há uma continuação, é bom ter um encerramento, nem que seja do sofrimento de algo inacabado.

    PS: Acho que a parte pior é saber que a história é uma trilogia, ou seja, mais Julia/Bella por aí (fico imaginando se ela irá convencer ele a reverter a cirurgia ou se irão adotar)

    • Maraíse março 12, 2013 às 1:23 pm #

      Dayana, então não sou um peixe só nesse mar de crítica e questinonamentos! rsrs
      Não vou ser tão má quanto você! Kkkkkkkkk
      Mas realmente tudo que você diz é verdade. Me senti a todo momento lendo uma mistura de Crepúsculo, 50 tons e ainda alguns pontos da Crossfire. Mas muito igual mesmo! Até as vezes os diálogos, as cenas, os pensamentos… A proteção sufocadora de Gabriel, a riqueza desprezada e sem apego, a imaturidade da mocinha e seus receios em ser confundida com prostituta só por ter aceitado um presente de quem a ama. Até a irritação em morder os lábios Dayanna???Bom não digo mais, para não cometer o deslize de Spoilers.
      Tenho apenas uma certeza: ou Ana, Bella e Julia são irmãs ou são a mesma pessoa em momentos diferentes! uauahaha..
      Teve sim partes que gostei, até porque sou romântica por vida e teria que ser insensível para não gostar de algumas cenas, declarações e presentes oferecidos por Gabriel. Vou ler o terceiro quando sair, porque minha curiosidade em saber como irá terminar a trilogia é maior que eu… rsrsrs
      Mas pra mim essa trilogia só é mais um pouco do mesmo que já estamos ficando saturadas de ler…
      Bjoks

      Ps: É a primeira vez que visito o blog de vocês e gostei muito! Vou me tornar uma visitante assídua! kk

Trackbacks/Pingbacks

  1. “Gabriel’s Inferno” será publicado aqui no Brasil « Obsessão Compulsiva - outubro 22, 2012

    […] de Gabriel”, que já tem dois volumes publicados nos EUA, “Gabriel’s Inferno” e “Gabriel’s Rapture”, será lançada aqui no Brasil pelo grupo […]

  2. “Beautiful Bastard” – Mais uma fanfic de Crepúsculo vai ser publicada « Obsessão Compulsiva - novembro 10, 2012

    […] “Gabriel’s Rapture” – Resenha Dayana […]

  3. “Gabriel’s Inferno” de Sylvain Reynard – Resenha Série O Inferno de Gabriel #1 « Obsessão Compulsiva - novembro 12, 2012

    […] Leia a Resenha da continuação: Gabriel’s Rapture […]

  4. O Inferno de Gabriel – Lançamento da Editora Arqueiro para 2013! « Obsessão Compulsiva - janeiro 4, 2013

    […] de O Inferno de Gabriel e Daniel’s Rapture feitas pela […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: