Divergente (Livro #01) – Veronica Roth

23 jan

divergenteEditora: Rocco

Classificação: 4 Estrelas

Sinopse: Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

Não é segredo para ninguém que eu não sou grande fã de distópicos, eu acho bem chato essas críticas sociais inrustidas nesse gênero – e podem ter certeza que não vou nem tocar nesse assunto na minha resenha. Mas esse livro me surpreendeu, eu gostei muito, apesar das várias questões que não foram esclarecidas, li rápido e sem paradas para tomar fôlego! rsrs…

Nessa distopia a sociedade é divida em cinco facções: Abnegação, Erudição, Audácia, Amizade e Franqueza. Cada facção, obviamente, possui características comuns entre os membros. É possível sim, uma mudança de facção, existem testes que são feitos para ajudar as pessoas a fazer sua escolha e depois disso cada um decide a facção na qual fará parte.

Beatrice, ou Tris, nasceu na Abnegação, mas nunca se sentiu altruísta e abnegada o suficiente para fazer parte da mesma. Seu teste deu um resultado diferente de muitos outros, ela é uma Divergente, ou seja, toma decisões que a podem caracterizar como um membro de mais de uma das facções. Tris escolhe ir para a Audácia, uma facção de “rebeldes”, são pessoas corajoras e que costumam trabalhar com a segurança e policiamento da cidade. Eles são realmente pessoas audaciosas, corajosas e que literalmente pulam de trens em movimento e vivem superando seus medos.

Na Audácia, Tris conhece Quatro, ou Tobias, que no decorrer do livro se mostra um personagem apaixonante. Sim, vai existir um certo romance na história, mas sinceramente, como um bom distópico esse não é ponto principal. Quatro também foi membro da Abnegação, e é chamado assim porque possui somente quatro medos.

“- Sabe, a maioria dos garotos adoraria estar trancado em um lugar fechado com uma garota. – Giro os olhos para cima.

– Não os claustofóbicos, Tris! – Ele soa desesperado agora.

– Tudo bem, tudo bem. – Coloco minha mão sobre a sua e a guio para o meu peito, colocando-a sobre o meu coração. – Sinta o ritmo do meu coração. Você consegue senti-lo?

– Sim.

– Você percebe como ele está estável?

– Ele está acelerado.

– É, bem, mas isso não tem nada a ver com a caixa. – Faço uma careta assim que digo isso. Acabei de me entregar. Espero que ele não tenha notado. – Toda vez que você me sentir respirar, respire junto. Concentre-se nisso.” (pág. 340)

Existe um processo de iniciação em cada uma das facções, na Audácia esse processo é dividido em três estágios onde os iniciados serão classificados e nem todos conseguirão passar, sendo que alguns podem morrer e outros se tornarão sem-facção, o que os torna membros de uma classe muito baixa, que passam dificuldades, ninguém deseja se tornar um sem-facção, é um dos maiores medos enfrentados.

Tris tem alguns problemas com uma certa turminha vinda Franquesa, Molly, Drew e principalemente com um garoto completamente idiota chamado Peter – sim, ele me irritou! rsrs… Ele na verdade é bem perigoso, machucou um garoto, Edward, que ficou em primeiro lugar, deu uma surra na Tris quando ela estava aprendendo a lutar e depois que ela ficou na frente dele nas classificações, foi atacada por ele e mais dois garotos. Enfim, é um babaca que merece uma morte lenta e agonizante, infelizmente isso não acontece nesse livro!

Tris faz três amigos entre os iniciados que vieram de outras facções: Christina, Will e Al. Sinceramente eu acho os três bem pouco verdadeiros em sua amizade, a Christina principalmente, deu uma rasteira na Tris em um jogo no qual não haveriam ganhado sem ela. Fiquei bem irritada com isso. Al é outro, ele começa a se apaixonar pela Tris, mas quando a “coisa aperta” o idiota do Peter o convence a entrar no meio do grupo que a machucou depois de ficar em primeiro lugar no segundo estágio. Eu gostei mesmo foi de um garoto que nasceu na Audácia, Uriah, ele não é idiota e nem tem a atitude de passar por cima dos outros, ele é bom sem precisar passar a perna em ninguém. No meio do processo de iniciação, é todo mundo querendo ganhar, pois têm muito a perder, como já disse, ninguém quer ser um sem-facção! É cobra comendo cobra ali!

Quero confessar o seguinte, a Tris me irrita um pouco em certos momentos, ela demora a acordar para a realidade da Audácia. Ela entrou ali então pega e aprende a se defender, vai lutar… Claro que para alguém que nasceu em um local de completa paz e tranquilidade, ela se sai muito bem, e tem uma excelente evolução no livro! #AMÉM!

“Nós acreditamos nos atos simples de bravura, na coragem que leva uma pessoa a se levantar em defesa da outra.” (Frase do manifesto da Audácia – pág. 218)

É claro que a Audácia mudou muito ao longo dos anos, hoje com os líderes psicóticos e corruptos que estão em poder as coisas vão de mal a pior, e é isso a principal crítica que o livro trás, apesar de as facções terem sido criadas para manter a sociedade livre de maus elementos, corruptos e pessoas ambiciosas em busca de poder, entre a humanidade sempre haverá aquele que quer mais, digamos, sempre haverá frutos podres na árvores e que não cairão longe o bastante.

A líder da facção Erudição, Jeanine, é uma cadela que quer dominar todas as facções, e para isso ela se alia a Audácia, para assim ter um exército. Existe uma certa busca por Divergentes, pois eles não podem ser controlados pelo chip que foi desenvolvido por ela, já que eles podem controlar ilusões, testes e coisas do tipo.

Bem, eu gostei muito da história, e recomendo! Quero com certeza ler o próximo volume, Insurgent, que de acordo com a Rocco será lançado ainda nesse primeiro semestre de 2013.

E aí gostaram? Comentem!

Beijos e até a próxima Obsessão!

Anúncios

4 Respostas to “Divergente (Livro #01) – Veronica Roth”

  1. Angelita janeiro 23, 2013 às 1:22 pm #

    Adorei a resenha, realmente nao focou nos problemas sociais e sim nos personagens. Sobre os amigos de Triz, eu gostei deles e tambem fiquei chateada com a forma da Christina querer mostrar que merecia ser vencedora quando nao era merecedora, ja que a Triz fez tudo praticamente. Entretanto, eu entendi o comportamento e o sentimento dela, imagina voce escolhe uma facção e ao chegar la sabe que existem pessoas demais para poucos a serem escolhidos? entao, ela se vendo sob a possibilidade de virar uma sem facção, o que ninguem quer, prefere passar a amiga pra trás. Eu particularmente preferiria ficar sem facção, meu senso de justiça é rigoso, mas… na hora do desespero e pela cultura deles, será que eu conseguiria? não sei! hehehehehe
    Parabéns pela resenha, adorei a analise dos lideres: “psicóticos e corruptos” kkkkkkkkkkkk

    • Yasmin Dorneles janeiro 23, 2013 às 1:26 pm #

      kkkkkkkkkkkk… eu no lugar dela provavelmente faria a mesma coisa, mas como estou analisando de fora, não deixo de me irritar! rsrs… Sim, eu prefiro manter minhas críticas na história e nos personagens, como disse, uma das coisas que mais me chateiam em distópicos é a crítica social, e como nem de sociologia e filosofia eu gosto prefiro me abster! rsrs… bjs…

  2. Thatyane Quirino janeiro 23, 2013 às 2:36 pm #

    Esse livro é muito bom! Gostei da resenha ^^…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: